Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

songs-by-night
No comando: Songs by Nigth

Das 00:00 as 02:00

cafeina
No comando: Cafeína

Das 02:00 as 06:00

levanta-rio-grande
No comando: Levanta Rio Grande

Das 06:00 as 08:00

sintonia-agora-vai
No comando: Sintonia livre

Das 08:00 as 12:00

domingo-nativo
No comando: Domingo Nativo

Das 08:00 as 13:00

festival-da-trinca
No comando: Festival da Trinca

Das 08:00 as 13:00

velhas-e-boas
No comando: Velhas e Boas

Das 13:00 as 14:00

conexao-teste
No comando: Conexão 103

Das 14:00 as 17:00

rancho-crioulo
No comando: Rancho Crioulo

Das 17:00 as 19:00

voz-do-brasil
No comando: A Voz do Brasil

Das 19:00 as 20:00

dona-da-noite
No comando: Dona da Noite

Das 20:00 as 00:00

PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo

Compartilhe:
bolsonaro

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou, nesta quinta-feira, 12, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) pelo crime de racismo. A denúncia menciona discurso do parlamentar, no Rio de Janeiro, em que ofendeu quilombolas. O parlamentar já foi condenado em ação de danos morais

Em 3 de abril, o deputado fez uma palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, na qual, segundo a Procuradoria, ‘ofendeu e depreciou a população negra e os indivíduos pertencentes às comunidades quilombolas, bem como incitou a discriminação contra esses povos’. Na ocasião, o deputado afirmou que visitou uma comunidade quilombola e “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”. Ainda citando a visita, disse também: “Não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais”.

A procuradora-geral afirmou que Bolsonaro ‘tratou com total menoscabo os integrantes de comunidades quilombolas’. “Referiu-se a eles como se fossem animais, ao utilizar a palavra “arroba”.

“Esta manifestação, inaceitável, alinha-se ao regime da escravidão, em que negros eram tratados como mera mercadoria, e à ideia de desigualdade entre seres humanos, o que é absolutamente refutado pela Constituição brasileira e por todos os Tratados e Convenções Internacionais de que o Brasil é signatário, que afirmam a igualdade entre seres humanos como direito humano universal e protegido”, afirmou Raquel.

A procuradora-geral destaca que o deputado ‘era capaz à época dos fatos, tinha consciência da ilicitude e dele se exigia conduta diversa, sobretudo por se tratar de um Parlamentar’.

“Estão devidamente caracterizadas nos autos, portanto, a autoria e a materialidade do crime”, afirma.

Pelo mesmo fato, Bolsonaro já foi condenado pela juíza Frana Elizabeth Mendes, em ação civil pública, ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil. O Ministério Público Federal, no Rio, por meio dos procuradores da República Ana Padilha e Renato Machado, havia acusado Bolsonaro por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra em geral.

Fonte: Terra
Foto: Agência Câmara

Importante: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site ou da Rádio Itapuã FM.

 

Deixe seu comentário: